Quando o amor vale a pena.

Hoje eu escrevo sobre um tema que me inspira e que apesar de tão banalizado atualmente, ainda é a melhor parte da vida pra mim. Falo de um sentimento gostoso, ingênuo, intenso, desafiador…o amor!

Em um mundo cheio de opções e as pessoas esbanjando individualismo e independência emocional, o que se tornou mais difícil é manter um relacionamento prazeroso, saudável e feliz. Apaixonar-se é fácil, mas amar de verdade é um ato de coragem e que exige muita paciência. Amar dá um trabalho que a gente nem sempre está disposto a se dedicar. Vencer o comodismo, a preguiça e cultivar um bom relacionamento com alguém por muito tempo.

A transição da paixão para o amor é um dos maiores desafios de um relacionamento. Passado o excitante começo, quando o dark side do outro ainda é imperceptível e irrelevante, a gente dá boas vindas para o amor real, da rotina, do stress, do tédio, das tarefas da casa. Esse amor real pode frustrar, mas também pode ensinar muitas coisas, principalmente sobre nós mesmos. Hoje eu vejo o amor como um processo positivo de amadurecimento individual e consequentemente do casal, que só acontece quando os dois estão envolvidos no mesmo objetivo: fazer dar certo!

Amar alguém é maravilhoso, o encaixe, a sintonia, a amizade, a companhia, a química…mas infelizmente também pode ser raiva, ciúmes, competição, tristeza e insatisfação. É preciso coragem para conviver diariamente com alguém, compartilhar coisas, lugares e o principal: nosso tempo. A gente escolhe lidar com alguém, além de já lidarmos com nossos problemas cotidianos e obrigatórios, familiares e profissionais. É preciso dedicação para enfrentar os ciclos ruins e não deixar o amor ficar chato e entediante. É preciso coragem para confiar, paciência para ouvir, para aceitar opiniões diferentes. Coragem para mudar, se adaptar e para muitas vezes perdoar, ceder, esquecer. É preciso amar de verdade para muitas vezes escolher ser feliz ao invés de estar certo. Para deixar o ego de lado e admitir que também somos chatos, irritantes e implicantes. É preciso coragem para sermos nós, mas ainda sermos eu e você, cada um com sua individualidade e vida própria.

Precisamos cair na real que aquela ideia de amor romântico e perfeito não existe. O que existe é a sintonia entre duas pessoas que escolheram estar juntas, não por falta de opção ou medo da solidão e sim pela certeza que entre tantos, ainda vale a pena investir nesse alguém. E para viver um grande amor, que primeiro a gente tenha amor próprio de sobra para não projetarmos nossa felicidade em alguém, esperando que esse alguém nos dê um sentido para viver. Que o bom humor faça parte do dia a dia, que amar seja prazeroso, que dê trabalho, mas que compense! Que a gente não precise se justificar para ser quem somos, que seja natural, que flua, que seja um sentimento leve e alegre. Que o amor nos torne pessoas melhores, que nos inspire e que dure apenas enquanto fizer bem.

Ame com liberdade, como um amigo e um amante, mas viva na realidade, da eternidade em instantes.

Obrigada pela leitura 🙂

2 comentários Adicione o seu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *